Surpresas logo no início

20.05.2015

Saímos de São Paulo no domingo, dia 17 de maio, rumo ao nosso primeiro destino: Cozumel (México).  Nosso trajeto, como já especificado no post anterior , foi dividido em 4 etapas. Primeiro, pegamos um vôo São Paulo – Cidade do México, com a TAM. Saímos de São Paulo às 23h30 e chegamos na Cidade do México por volta das 7h00 (horário local), num total de 9h30 de vôo.

 

Profundo no Mundo

 

A segunda etapa do nosso trajeto consistia em um vôo Cidade do México – Cancún, que reservamos com uma companhia mexicana do tipo low cost, chamada Volaris. O vôo estava reservado para as 15h15, e não conseguimos despachar as malas antes do meio-dia. Ou seja, foram mais de 5 horas de espera no aeroporto! Aproveitamos esse tempo para nos alimentar e comprar um chip pré-pago local para utilizar no celular (compramos um da operadora MovStar, para o Rafa. E deixamos para comprar um para mim quando chegássemos em Cozumel).

 

Nossa primeira experiência com uma companhia low cost foi muito positiva. O staff da Volaris foi muito atencioso (aliás, simpatia e atenção são coisas muito comuns aqui no México). O vôo atrasou cerca de 1 hora, mas nada que comprometesse nossos planos. Chegamos em Cancún por volta das 18h, e pegamos um shuttle que já estava reservado com a própria Volaris, que nos levou até Playa del Carmen, onde chegamos por volta das 19h30.

 

Aliás, descobrimos sobre esse shuttle por acaso, uma semana antes de embarcar, quando estávamos confirmando os  dados sobre nosso vôo no site da Volaris, e valeu muito a pena! O preço é um pouco mais caro do que o ônibus da ADO, que também faz esse tipo de serviço, mas a diferença compensa muito pelo fato de não precisarmos pegar um taxi até a rodoviária (que fica na direção oposta), sem falar no conforto de não termos que nos deslocar pela cidade com toda a bagagem nas mãos, e o tempo que ganhamos com isso. (Pagamos MX$160 pelo shuttle, e a passagem da ADO custa MX$156).

 

Na Playa del Carmen, finalmente pegamos o ferry (balsa) que nos levou até Cozumel (pagamos MX$162, que seria o equivalente a R$36 pra cada), . O trajeto da balsa foi a parte mais sofrida de todo o nosso percurso. Nós dois começamos a passar mal, com enjôos e mal estar devido ao balanço do mar e a impossibilidade de focarmos algum ponto no horizonte, pois já estava escuro. Enquanto o Rafa ficou cuidando das bagagens, eu fui para a parte de cima da embarcação, na esperança de melhorar com o ar, mas a verdade é que eu acabei piorando (rs). Felizmente, outros turistas que estavam na balsa se prontificaram para me ajudar, tomei um pouco e água e consegui completar a travessia sem maiores problemas.

 

Chegamos em Cozumel, finalmente, às 20h30. Então, pegamos um taxi e nos dirigimos até a casa onde tínhamos reservado um studio para ficar nos próximos 3 meses. E foi aí que começou a nossa aventura de verdade. Chegando na casa, procuramos pelo responsável pelo aluguel do studio, e, para a nossa surpresa, ele não estava na cidade! Conseguimos entrar em contato com ele através do Whatsapp (o chip que compramos no aeroporto da Cidade do México já foi de grande utilidade!!), e ele nos explicou que, devido a um imprevisto que teve com os filhos, não conseguiu estar nos aguardando como havíamos combinado.

 

Mas não para por aí! Descobrimos, na sequência, que o studio onde iríamos ficar estava ocupado (!!!). Imaginem o nosso pânico: estávamos sozinhos, de noite, com toda a nossa bagagem nas mãos, sem saber para onde ir. Acabamos acertando de ficar a primeira noite em um hotel ali perto e resolver nossa estadia na manhã seguinte.

 

Fomos para o Hostelito, um local muito confortável, e com um preço mais razoável do que esperávamos encontrar para uma situação de imprevisto como essa (MX$550 a diária para o casal). Não foi muito caro, mas já começamos a sair do nosso orçamento logo na primeira noite. Compramos algo para comer, e, cansados de toda a viagem, deitamos, apagamos e só acordamos no dia seguinte, às 10h, com o responsável pelo studio em que ficaríamos batendo na porta do nosso quarto. Mas isso é assunto para o próximo post…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2017 by Profundo no Mundo